Editorial

 

A cooperação entre unidades da UFPA e Instituições nacionais e internacionais proporcionou uma série de ações de atualização aperfeiçoamento e formação de quadros para a gestão da cooperação internacional na Amazônia.

Através de uma parceria com a Assessoria de Relações Nacionais e Internacionais da UFPA (ARNI), o Núcleo de Altos Estudos Amazônicos está promovendo uma série de cursos e seminários sobre o assunto, firmando-se como um centro de excelência nessa área.

A realização do Curso de Aperfeiçoamento em Gestão de Cooperação Internacional, em parceria com a Universidade dos Estudos e Milão e a Universidade dos Estudos de Milão-Bicocca e apoio do Governo do Estado do Pará, deverá formar 50 alunos capazes de elaborar projetos de cooperação com exigências das instituições internacionais e acessar as fontes de financiamentos para esses projetos, com o objetivo principal a cooperação para desenvolvimento local. O curso já está na sua reta final e é um piloto de uma especialização que poderá ser ofertada ainda no ano de 2008.

A presença dos professores das Universidades de Milão foi importante também na promoção do Seminário Internacional “As Boas Práticas da Cooperação Brasil-Itália-Cuba”, que trouxe ao Brasil o professor Jorge Lazaro Duque Robaina, da Universidade de Sancti Spiritu – Cuba. Robaina abordou as relações entre intuições de ensino e pesquisa de Cuba e da Itália na cooperação para projetos de pesquisa e desenvolvimento e também, através da exposição do Projeto das Casas Familiares Rurais, trouxe a discussão da cooperação entre Itália e o Brasil.

Também em agosto foi promovido o Curso Cooperação América Latina - União Européia, que trouxe ao Brasil a profa.Dra. Leda Rouquayrol-Guillemette, da Universidade de Havre/França. O curso ofereceu ao público um quadro detalhado das diversas possibilidades de ajuda financeira oferecida por programas da União Européia.

A cooperação internacional diz respeito a uma série de ações referentes a parcerias, cooperações bi-laterais e acesso a fundos que se realizam principalmente entre paises desenvolvidos e os países pobres e em desenvolvimento e entre paises em desenvolvimento para parcerias em áreas estratégicas, como a cooperação Sul-Sul. Além da formação de quadros na gestão da cooperação internacional e da reflexão critica dessa cooperação, o NAEA deverá propor projetos e pesquisa e extensão nessa área, investigando algumas cooperações existentes e seus desdobramentos.

A criação do Centro de Estudos América Latina e Caribe e do Centro de Estudos Brasil-Venezuela no Núcleo potencializa a realização dessas pesquisas, além do grupo de pesquisa já existente e coordenado pelo professor Luis Aragon, denominado “Cooperação internacional e política científica e tecnológica para o desenvolvimento da Amazônia”.

Agora em setembro, a UFPA estará abrigando três importantes eventos na área da coopera ção Sul-Sul, no âmbito dos 20 anos da UNAMAZ (Associação de Universidades Amazônicas). O evento central será uma conferência internacional sobre o tema “Cooperação Amazônica e Educação Superior para um Desenvolvimento Sustentável”, que acontece em Belém de 23 a 26 deste mês. Para o ano de 2008, além da Especialização em Gestão de Cooperação Internacional, vários eventos já estão sendo programados.

Prof. Dr. Silvio Lima Figueredo, pesquisador associado ao NAEA.

Topo


UNAMAZ festeja 20 anos com série de eventos de cooperação amazônica

 

A Associação das Universidades Amazônicas (UNAMAZ) comemora neste mês de setembro 20 anos de fundação com uma programação que se integra aos 50 anos da Universidade Federal do Pará (UFPA) e aos 35 anos do NAEA. Três eventos voltados à cooperação amazônica marcam o aniversário da entidade, que reúne 66 instituições de ensino superior dos oito países que integram a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) - Bolivia, Brasil,Colombia, Equador, Guyana, Peru, Suriname e Venezuela. A anfitriã das comemorações será a UFPA, entidade fundadora da UNAMAZ e que vem abrigando até hoje sua sede institucional.Todos os eventos, de 21 a 28 de setembro, acontecem no Hotel Sagres, em Belém.

Nos dias 21 e 22 de setembro realiza-se a VIII Assembléia Geral da UNAMAZ, da qual participam os reitores das instituições membros da Associação e convidados especiais fundadores da entidade, entre os quais o professor Armando Mendes e o ex-reitor da UFPA, Seixas Lourenço, primeiro presidente da UNAMAZ. O primeiro dia da programação (21), será aberto ao público.

De 23 a 26 de setembro acontece o evento central das comemorações dos 20 anos da UNAMAZ, a Conferência Internacional “Cooperação Amazônica e Educação Superior para um Desenvolvimento Humano Sustentável”, que também faz parte das atividades da Cátedra UNESCO de Cooperação Sul-Sul para o Desenvolvimento Sustentável, criada na UFPA em setembro de 2006. A abertura da Conferência será no dia 23 de setembro de 2007, domingo, às 18h, com a conferência da Diretora do IESALC/UNESCO, Dra. Ana Lucia Gazzola.

A Conferência pretende realizar uma análise do desenvolvimento da educação superior na Pan-Amazônia durante os últimos 20 anos, com o intuito de fornecer subsídios à Conferência Regional da UNESCO/IESALC de Educação Superior da América Latina e o Caribe, que acontecer em 2008 na Colômbia. Participam da Conferência de Belém especialistas, professores e pesquisadores de todos os países amazônicos. A Conferência é totalmente aberta ao público e as inscrições, no valor de 20 reais, podem ser feitas na secretaria do Evento (ver Serviço)

Luis Eduardo Aragon, professor do NAEA e um dos organizadores do evento, afirma que a realização da conferência reforça a importância da UFPA como instituição-sede da Cátedra UNESCO de Cooperação Sul-Sul para o Desenvolvimento Sustentável. “A UNESCO reconhece o grande potencial e a capacidade instalada da instituição levar à frente projetos de cooperação Sul-Sul, como este que se realiza este mês em Belém”.

Será realizado ainda, nos dias 27 e 28 de setembro, o II Encontro Internacional das Reservas da Biosfera da Amazônia, apenas com a participação de técnicos e peritos convidados e representantes das oito Reservas da Biosfera existentes na Pan-Amazônia.

 

O que é a UNAMAZ *

A UNAMAZ foi criada em 18 de setembro de 1987, fruto de recomendações de cientistas, professores e pesquisadores dos oito países do Tratado de Cooperação Amazônica – TCA, reunidos durante o Seminário Internacional Alternativas de Cooperação Científica, Tecnológica e Cultural entre Instituições de Ensino Superior dos Países Amazônicos – CITAM, promovido pela Universidade Federal do Pará – UFPA através de sua Assessoria Especial de Relações Nacionais e Internacionais – ARNI.

Desse evento nasceu a idéia de se criar um organismo catalisador de esforços para promover a produção do conhecimento necessário ao desenvolvimento sustentável da Região, potencializar a atuação das instituições amazônicas de educação superior e de pesquisa e fomentar a melhoria da qualidade dos recursos humanos da Região.

Este processo foi incentivado e apoiado por várias organizações internacionais, entre elas a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) que contribuiu com um estudo sobre o potencial da cooperação no meio universitário amazônico e a Organização dos Estados Americanos (OEA), que contribuiu com a realização do mencionado seminário. A Universidade Federal do Pará (UFPA) assumiu a presidência até o ano de 2000 e ainda mantêm um papel importante que se reflete, entre outros, na sua contribuição para a manutenção da Sede Institucional.

 

O que é o programa Cátedra UNESCO **

O Programa de Cátedras, lançado em 1992 como resultado da 26 a Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura das Nações Unidas (UNESCO) envolve cerca de 500 Cátedras e Redes inter-universitárias em todo o mundo. No Brasil, o Programa conta com 23 Cátedras UNESCO.

O programa tem como principal objetivo a capacitação através da troca de conhecimentos e do espírito de solidariedade estabelecido entre os países em desenvolvimento. Participam do programa centenas de universidades, em conjunto com instituições em geral, organizações governamentais e não governamentais ligadas à Educação Superior.

 

*Mais informações sobre a UNAMAZ: http//:www.ufpa.br/unamaz/portugues/index_portugues.htm

**Mais Informações sobre a Cátedra UNESCO:http://www.unesco.org.br/comunidades/catedras/index_html/mostra_documento

 

SERVIÇO: UNAMAZ 20 ANOS

Secretaria do evento:

Cátedra UNESCO-UFPA
Sala 216, Setor de Pesquisa do NAEA/UFPA
Fones: (91) 3201 7951/7496
Fax: (91) 3201 7677
E-mail: unamaz_20anos@yahoo.com.br Topo

 

Topo


Cooperação entre América Latina e União Européia é tema de mini-curso no NAEA

O curso foi uma versão compactada de disciplinas coordenadas  pela professora Leda Guillemette nas universidades francesas Du Havre e de Paris III - Sorbonne.

 

O Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, em parceria com a Universidade Federal do Pará e com a Université Du Havre - França promoveu, entre os dias 21 e 23 deste mês, o curso Cooperação América Latina União Européia ministrado pela professora Dra. Leda Rouqueyrol Guillemette, da universidade francesa.

Na ocasião, Guillemette falou sobre o funcionamento das instituições Européias, os programas de cooperação para assistência externa e a cooperação América Latina - União Européia. O curso foi uma versão compactada de disciplinas coordenadas nas Univesrsidades Du Havre e de Paris III – Sorbone (França) pela professora Leda Guillemette, que também é presidente do Centro de Estudos, Formação e Informação sobre a Cooperação América Latina – Europa (CEFICALE), da Comissão Européia – órgão da União Européia.

Fotos: Janine Bargas


Curso no Auditório do NAEA


Profa. Leda Guillemette

Através do Curso, o público presente pôde conferir informações sobre a União Européia, sobre seu funcionameto e suas instituições internas. “A União Européia é um exemplo de integração regional que funciona bem e é a maior doadora de recursos para ajuda externa”, afirma Guillemette. Segundo ela, “a União Européia pretende se integrar à América Latina nos mais diversos setores, como o da educação superior, e o empresarial”.

Com relação à região amazônica, a professora brasileira, que mora a 24 anos na França, disse que é importante perceber suas necessidades, por se tratar de uma região muito sensível e importante a nível mundial. “Na União Européia existem projetos que são geridos pela Comissão Européia destinados à Amazônia e sua preservação”, informa.

Topo

 

Geógrafa da Universidade de Michigan debate dilemas da reforma agrária


É possível equilibrar as necessidades de gente rica e pobre por terras e desenvolvimento econômico e o meio ambiente?”. Este foi o questionamento que a geógrafa norte-americana Cynthia Simmons fez ao público presente em sua palestra “Reforma Agrária e Desenvolvimento: lições a serem aprendidas das experiências na Amazônia brasileira”.

O evento, que ocorreu no auditório do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA) foi resultado da formalização de uma parceria firmada entre o NAEA e a Michigan State University, com o objetivo de integrar as atividades acadêmicas dos dois centros de pesquisa, além do corpo docente e discente das instituições. “É um momento simbólico importante para estabelecermos a relação entre lá e cá”, afirma Edna Castro, coordenadora geral do NAEA.

A palestrante, que já realizou trabalhos em diversos estados da Amazônia brasileira, destacou suas pesquisas feitas no Pará, nas quais estudou os assentamentos rurais em cidades como Marabá e Eldorado do Carajás, no Sul do Pará, e Uruará, no oeste do estado. Em sua fala abordou temas como a importância de se discutir a redistribuição de terras, a demanda das populações rurais pela posse da terra e os tipos de assentamento, enfatizando a ocupação fundiária dirigida por movimentos sociais.

Revelando um panorama da realidade fundiária no Brasil, Simmons explanou sobre um tipo de reforma agrária muito realizada em terras brasileiras: é a Ação Direta da Reforma Agrária por Movimentos Sociais (SMO – DALR). Trata-se de um tipo de assentamento ilegal que objetiva adquirir terras e título. Esse tipo de reforma se dá em etapas, nas quais a participação das comunidades rurais é intensa: mobilização de pessoal, seleção da propriedade - em geral, terras devolutas, ou seja, aquelas que não têm pessoas habitando – e ocupação, que se divide em acampamento e assentamento.

Com relação ao problema da Reforma Agrária no Brasil, a geógrafa diz que “ela vai chegar, mas com um custo muito grande”. Segundo ela, é preciso uma boa vontade política e grandes investimentos financeiros.

A cooperação entre as duas entidades de pesquisa foi coordenada pela professora Larissa Chermont, do departamento de Economia da UFPA-NAEA, juntamente com o departamento de Geografia. Segundo ela, é relevante trabalhar interagindo com outras universidades e, essa palestra “é a oportunidade de formular linhas de pesquisa concretas, e delimitar nossos temas de estudo”.

 

Topo


Seminário debate relações entre Brasil, Cuba e Itália

 

O Seminário Internacional sobre as Boas Práticas da Cooperação Brasil-Cuba-Itália, realizado NAEA,no dia 11 de agosto, foi um espaço em que os participantes expuseram suas experiências de cooperação. O evento,que aconteceu no Instituto de Ciências das Artes (ICA), foi coordenado pelo Prof. Dr. Silvio Lima, pesquisador associado ao NAEA.

Na ocasião, o Prof. Dr. Jorge Robaina falou do papel de instituições de ensino como a Universidade Federal do Pará como propulsora do intercâmbio entre as nações. O professor cubano apresentou os programas sociais de seu país voltados principalmente para os setores de saúde, esporte e educação. De acordo com sua exposição, as políticas sociais em Cuba criam a base para o desenvolvimento e reafirmam os princípios de igualdade e justiça social.

Foto: Vanessa Macedo
Uma das palestrantes, Sofia Palandri

Foto: Janine Bargas

Professor cubano Dr. Jorge Robaina

A italiana Sofia Palandri expôs sua participação no projeto Casas Familiares Rurais. A iniciativa busca, através de uma pedagogia alternativa, educar jovens agricultores dos municípios paraenses de Mocajuba, Igarapé-miri e Baião. "A meta do projeto é encaminhar as primeiras turmas a Secretaria de Educação (Seduc)", explicou Sofia.

Topo


 

O Projeto Pólos de Inovação Tecnológica (PIT) é fruto de uma parceria entre a Universidade Federal do Pará e a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente (SECTAM). Através da integração entre a dimensão ambiental, sócio-cultural, político-institucional e econômica, o projeto busca subsidiar políticas públicas com a implementação do zoneamento econômico-ecológico nas 22 microrregiões do Pará.

Para atingir o objetivo principal de promover o desenvolvimento sustentável no estado, o PIT identifica na região os pólos de inovação tecnológica e os arranjos produtivos locais (APL´s). Os APL’s são aglomerados de agentes econômicos, políticos e sociais que cooperam entre si e visam desenvolver determinado potencial local tecnológico. Em entrevista à Folha do NAEA, o Prof. Dr. Fábio Carlos fala sobre o projeto do qual é idealizador.

Folha do NAEA: O senhor é o idealizador do Projeto Pólos de Inovação Tecnológica. O projeto, na sua criação, buscou atender a quais demandas?

Fábio Carlos: O projeto buscou atender às demandas de ciência e tecnologia nas 22 microrregiões do Pará, através da caracterização e implementação de arranjos produtivos locais com potencialidade para sediar pólos de inovação tecnológica.

FN: Com quais tipos de APL’s o projeto trabalha?

FC: Trabalhamos com os seguintes APL’s: Pesca e Aqüicultura; Mel; Móveis e artefatos de madeira; Floricultura; Fruticultura; Jóias e artesanato mineral; Leite; Turismo. Neste último está sendo avaliada a possibilidade de criar um plano de desenvolvimento de turismo que abarcará 15 municípios desde Conceição do Araguaia até São Félix do Xingu.

FN: Quais as frentes de atuação do projeto?

FC: O projeto tem duas frentes de atuação, uma de pesquisa feita pela equipe de professores do NAEA e outra de implementação, o que dá uma característica diferenciada a ele. A frente de implementação visa instituir comitês e dar apoio a eles, elaborar legislação, aprovar planos de desenvolvimento e projetos através da Secretaria de Desenvolvimento de Ciência e Tecnologia.

FN: Qual o papel dos comitês no Pólos de Inovação Tecnológica?

FC: As atividades são executadas por seis comitês estaduais e quatorze comitês regionais. Cada comitê oferece cursos de treinamento e capacitação de acordo com o trabalho realizado na região. Os comitês são a fonte da representatividade institucional e um mecanismo de inserção social e produtiva.

FN:É realizado um mapeamento dos impactos dos APL’s nas áreas em que são implantados?

FC: O P.I.T é composto por quatro dimensões: político-institucional, econômica, sócio-cultural e ambiental. O componente ambiental realiza pesquisas sobre esses impactos através da construção de cenários. Essa construção pretende avaliar o uso dos recursos e da biodiversidade com base no diagnóstico da realidade ambiental nas regiões onde o projeto é implementado.

Topo


Curtinhas

 

* * * * * NAEA abre vagas para o novo curso de especialização “Desenvolvimento regional e Gestão de Cooperativas de Crédito”. É um curso voltado a profissionais que trabalham na área de empreendimentos cooperativos, visando à qualificação desses profissionais com relação ao o uso do crédito, que vem sendo utilizado pelo governo para incentivar o desenvolvimento regional, através do Banco Central. Inscrições na secretaria do NAEA. Contato: (91) 3201-7232.

* * * * * Parceria entre NAEA e Associação de Universidades Amazônicas (UNAMAZ) realiza Seminário “Mineração na Amazônia: Impactos Sociais e Ambientais” no dia 31 de agosto, com as presenças de Alfredo Wagner, Lúcio Flávio Pinto, Maurílio Monteiro, David Carvalho e Diana Antonaz, no Salão Paroquial da Igreja dos Capuchinhos, às 16 h.

* * * * * A Petrobrás e o Ministério das Minas e Energia promovem o Fórum Técnico: Processos Participativos na Implantação de Grandes Empreendimentos, com foco na usina Hidrelétrica de Belo Monte: estudos de viabilidade técnica, econômica e socioambiental. Como palestrante estará presente a Profa. Dra. Paula Stroh, da Universidade de Alagoas (UFAL). Como debatedores estarão a Profa. Dra. Maria Rosa Acevedo, do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA) e o Prof. DR. Gilberto Rocha, do Núcleo de meio Ambiente (NUMA), ambos da Universidade Federal do Pará (UFPA). Os debates acontecerão no dia 04/09/2007, às 14h, no auditório Setorial da UFPA; e no dia 05/09/2007, na Casa de Cultura de Altamira-PA, também às 14h.

* * * * * O NAEA abre dois novos cursos de especialização: o de “Desenvolvimento Regional e Gestão de Cooperativas de Crédito na Amazônia”, pelo Programa de Pós-Graduação Lato Sensu (PPLS), que terá 35 vagas e é voltado para a qualificação de profissionais de cooperativas de crédito no Pará e o e o Curso de Especialização em Desenvolvimento Regional e Gestão Pública, voltado ao o quadro administrativo da UFPA. Maiores informações, no site do NAEA ou na Secretaria de especialização( Fone: (91)3201-7232).

 

Topo


Expediente

NÚCLEO DE ALTOS ESTUDOS AMAZÔNICOS
Coordenadora: Edna Castro
Vice-Coordenador: Thomas Hurtienne

Folha do NAEA, ano 2, edição 7, agosto de 2007.
Textos: Janine Bargas e Vanessa Macedo
Edição: Janine Bargas
Revisão: Rosane Steinbrenner
Webdesigner: Dayane Baía
Webmaster: Marcelo Lavareda

Esta é uma publicação virtual mensal do NAEA-UFPA.
Os contatos devem ser feitos pelo:
Fone: (91) 3201-7696
Fax: (91) 3201-7677
E-mail: comunicacao_naea@ufpa.br

Topo