Editorial

 

Uma instituição científica precisa estar inserida no debate nacional sobre a questão do desenvolvimento, precisa enfrentar o desafio de pensar o país e de compreender a Amazônia na problematização nacional – especialmente as instituições desta região.

Esse processo é mais complexo internamente porque está inserido na dimensão nacional, define novos interesses e pede respostas dentro de uma perspectiva integrada, com soluções econômicas, sociais, territoriais, ambientais.

Com 33 anos de atuação, o NAEA sabe que a sociedade científica regional se coloca com competência nesse debate e através desta newsletter (a FOLHA NAEA) pretende visibilizar seus produtos e processos. Atualmente, temos cerca de 20 professores atuando em pesquisas e no programa de pós-graduação, atendendo aproximadamente 140 doutorandos e mestrandos e desenvolvendo significativa produção científica.

Na Era da Informática que vivemos hoje, a Ciência tem que se adequar aos meios de comunicação - até mesmo por seu compromisso social. Por isso, pretendemos firmar esse compromisso, informando e divulgando nossas atividades, pesquisas e fontes e as formas como nossa instituição tem contribuído naquele debate.

Esperamos poder .contar com a sua participação e fazer da FOLHA NAEA um canal de divulgação interativo, inter e intra-institucional, ampliando a divulgação de nosso trabalho e reforçando os laços com diversas instituições, especialmente aquelas que também são referência na Pan-Amazônia e possuem núcleos de estudos sobre a região.

Participe desse novo projeto! Mande sua notícia, divulgue aos amigos e contribua para a reflexão sobre o desenvolvimento da Amazônia.

Profa. Dra. Edna Castro
Coord. NAEA

Topo


Naea vai abrigar Centro de Estudos Brasil-Venezuela

 

Com o objetivo de incentivar doutorandos e mestrandos da Universidade Federal do Pará a elaborar teses e dissertações sobre temas relacionados a Venezuela, o Núcleo de Altos Estudos Amazônicos - NAEA e a Fundação Alexandre de Gusmão-FUNAG, entidade ligada ao Ministério das Relações Exteriores – MRE, assinaram o termo de cooperação técnica criando o Centro de Estudos Brasil-Venezuela, que terá por objetivo a cooperação acadêmica e científica entre os dois países.

O Centro vai possibilitar a organização de um programa regular de pesquisas com vistas a colher subsídios para a discussão e formulação da política externa brasileira com relação à Venezuela, além de manter um programa editorial em conjunto com editoras privadas para a publicação de obras sobre questões ligadas à Venezuela. Estes estudos e pesquisas terão a coordenação do NAEA, que cederá também o espaço físico em sua biblioteca para a coleção de livros sobre a Venezuela a ser doada pela FUNAG.

O termo de cooperação técnica que cria a Casa de Estudos Venezuelanos, nome dado ao centro de estudos, terá a duração de cinco anos e permite o afastamento de professores selecionados para realizar pesquisas sobre aquele país, no tempo necessário para o trabalho.

Topo


Aula inaugural 2006

 

Na aula inaugural do NAEA, no dia 13 de fevereiro passado, com palestra proferida pelo professor Dr. Maurílio Monteiro, foi apresentada a avaliação trienal da CAPES em relação ao PDTU. A palestra abordou a avaliação considerando todo o processo de preparação, discussão e estruturação do PDTU em ciclos de discussão, durante cerca de dez meses em 2005, que envolveu docentes e discentes da instituição e que resultou na montagem da nova estrutura do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido – PDTU, coordenado pelo Prof. Armin Mathis.

Na palestra foram apresentados alguns elementos da análise de avaliação, como a contextualização do programa, a produção acadêmica e a formação dos discentes - ajustadas para atender as exigências da CAPES. Na avaliação sobre o triênio de 2001-2003, a pós-graduação do NAEA obteve o conceito 5. O Programa promoveu a unificação do mestrado e doutorado, diminuindo o distanciamento entre estes dois níveis, ou seja, o mestrado com uma abordagem de desenvolvimento (seu planejamento e gestão) e o doutorado tratando das questões ambientais na Amazônia. Apesar de entender-se que essas abordagens estão intimamente relacionadas, é necessário que o Programa as integre de maneira efetiva, para isso tendo que rever sua grade curricular, suas áreas de concentração, linhas e projetos de pesquisa.

Percebeu-se, ainda, uma certa especificidade temática relativa ao desenvolvimento, em nível de mestrado, e ambiental no doutorado, sendo desejável uma maior integração no sentido de melhor articular os dois níveis no tratamento da temática central objeto do Programa ”e, por conseguinte, a necessidade de reformulação da estrutura curricular", conclui o professor Maurílio Monteiro. Estas mudanças na estrutura do curso devem ser consideradas na avaliação da CAPES para o triênio 2004-2007.

 

Topo


Programa de Bolsas de Pós-Graduação da Fundação Ford é lançado em Belém

 

A doutora Fúlvia Rosenberg, pesquisadora da Fundação Carlos Chagas e professora da PUC-SP esteve no auditório do NAEA no dia 28 passado, para o lançamento do Programa Internacional de Bolsas de Pós-Graduação da Fundação Ford. As bolsas são de mestrado e doutorado, que podem ser cursados no Brasil (credenciado pela CAPES) ou no exterior (com titulação equivalente às nacionais).

O programa começou em 2002 e oferece oportunidade para que pessoas, com potencial de liderança em seus campos de atuação, prossigam em seus estudos superiores; também privilegia os candidatos além do mérito acadêmico, manifestando uma preocupação maior com a justiça econômica e social para que estejam aptos a trabalhar pelo desenvolvimento de seus países.

Centrado na ação afirmativa, o modelo da bolsa Ford incorporou as estratégias e cultura brasileira da pós-graduação, adotando os processos usados pelas agências de fomento, como CAPES e CNPq, ao mesmo tempo em que inovou ao se preocupar com a qualidade na seleção, na permanência dos selecionados nos cursos escolhidos e no sucesso destes profissionais. Nesse sentido, a bolsa é a única que exige dos candidatos um projeto de pesquisa no ato de inscrição.

O foco do programa está na associação de três fatores: na ação afirmativa definida pelo mérito acadêmico, liderança e o compromisso social; é dirigido a candidatos nascidos no norte ou nordeste ou centro-oeste e de origem étnica racial negra ou indígena que tiveram poucas oportunidades econômica e educacional.

Durante o lançamento da edição 2006 do programa, Rosemberg destacou as dificuldades que boa parte dos brasileiros de baixo poder aquisitivo enfrentam para conquistar a carreira acadêmica. A bolsa oferece os seguintes benefícios: orientação pré-acadêmica, mensalidades para pagamento do curso, recursos para gastos pessoais, seguro saúde, bolsa sanduíche e aperfeiçoamento profissional custeando pesquisa de campo, viagens e participação em eventos.

Do Naea já foram selecionados três candidatos à bolsa da Fundação Ford, em edições anteriores: Nemésio Clímico do Amaral Filho, que concluiu no final de 2005 o doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro, Gilson da Silva Costa, que concluiu o mestrado e está cursando o doutorado no NAEA, e Lourival Ferreira do Nascimento, que defendeu sua dissertação em 2003.

As inscrições encerram em 22 de maio de 2006. A avaliação será entre 23 de maio a 15 de fevereiro de 2007 e o anúncio dos resultados, a partir de 16 de fevereiro de 2007. Os contemplados terão os benefícios da bolsa a partir da matrícula da pós-graduação em 2008. Mais detalhes e informações no endereço www.programabolsa.org.br.

Topo


Naea participa de Congresso em Santa Elena de Uiarén, na Venezuela

 

O 1° Congresso Internacional sobre Biodiversidade na Região do Escudo Guianês, realizado entre 20 e 24 de março deste ano, em Santa Elena de Uiarén, na Venezuela, contou com a presença da profa. Dra. Lígia T. L. Simonian, pesquisadora do NAEA , e da doutoranda do PDTU/NAEA e professora do Departamento de Turismo, Helena Quaresma.

Ligia Simonian apresentou o trabalho "Biodiversidade, políticas públicas e movimentos sociais: gestão em Unidades de Conservação e movimentos sociais - gestão em Unidades de Conservação nas Guianas". Segundo a pesquisadora, nos últimos tempos as Guianas vêm passando por um processo de transformação significativo quanto aos usos da biodiversidade e as experiências envolvendo sua conservação e isto tem causado impactos negativos no ambiente, na sociedade e na cultura regional.

Pesquisas acerca de questões sócio-ambientais e a metodologia interdisciplinar foram realizadas nos cinco países que compõem essa região, inclusive, em áreas fronteiriças. Os dados levantados revelam situações bem diferenciadas quanto a tais problemáticas. Além disso, identificou-se que, simultaneamente, está crescendo o número de Unidades de Conservação – UC nos países que a compõem, inclusive as de uso direto. Mesmo assim, conclui Ligia Simonian, há de se considerar o princípio da insustentabilidade em toda a sua complexidade como elemento norteador da gestão quanto à biodiversidade até o momento implementada.

Já o trabalho apresentado pela professora Helena Quaresma versou sobre o "Turismo sustentável em áreas de fronteira: limites e possibilidades para a gestão de parques nacionais”. A pesquisadora fez uma análise numa perspectiva comparativa acerca de políticas públicas ambientais e de turismo e a maneira como estas vêm sendo implantadas em parques nacionais, tendo como locus de pesquisa o Monte Roraima. Organização local, sustentabilidade, etnicidade e questão de fronteira internacional são elementos da pesquisa apresentada pela doutoranda.

No primeiro congresso ficou definido que o segundo será coordenado pelo NAEA, em Macapá, aproveitando a estrutura do PDTU/NAEA-UNIFAP. Em junho próximo, a Drª. Simonian (simonian@ufpa.br) realizará uma reunião no NAEA para estimular os pesquisadores e os alunos interessados a propor pesquisas para a área do escudo guianense, com vistas a preparação do segundo congresso.

Topo


Nova turma de doutorado em Macapá

 

O NAEA está cada vez mais abrangente. Depois de levar o curso de pós-graduação para Imperatriz, no Maranhão, agora chega à Macapá, a capital do Amapá. A nova turma de doutorado em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido resulta da parceria entre a Universidade Federal do Pará (UFPA) e a Universidade Federal do Amapá (UNIFAP). Ao todo, 18 alunos estão fazendo o curso, que tem caráter multidisciplinar, duração máxima de oito semestres e é coordenado pelo Prof. Dr. Armin Mathis.

Topo


Agenda

 

Dia 25/05, 14h30 – Mini-Auditório
- Projeto de Tese: Processo decisório de políticas públicas para o desenvolvimento local: Rio Arraiolos – Almeirim - Pará
- Doutoranda: Denise Machado Cardoso
- Orientadora: Prof. Dra. Ligia Simonian
- Banca: Prof. Dra. Edna Castro; Prof. Dra. Rosa Acevedo Marin; Prof. Dra. Angélica Maués e Prof. Dra. Maria do Perpétuo Socorro

Dia 30/05, 08h30 – Auditório
- Projeto de Tese: Regeneração Florestal associada a tamanhos de clareiras: implicações para o manejo florestal sustentável
- Doutoranda: Andréia Cristina Brito Pinto
- Orientadora: Prof. Dra. Claudia Azevedo Ramos
- Banca: Prof. Dr. David McGrath; Prof. Dr. Juarez Peztti; Prof. Dr. Edson Vidal e Prof. Dra. Ana Cristina M. Oliveira

Dia 30/05 - Mini-Auditório
- Projeto de Tese: Formação de Capital Social e Sistemas Alternativos de Produção no Mundo Rural Rondoniense: o caso dos produtores de Ouro Preto do Oeste-RO
- Doutoranda: Lílian Maria Moser
- Orientador: Prof. Dr. Francisco de Assis Costa
- Banca: Prof. Dra. Tereza Ximenes; Prof. Dr. Índio Campos; Prof. Dra. Ene Glória da Silveira e Prof. Dr. Marcus Freire Montysuma

Dia 02/06, 15h00 – Mini-auditório
- Dissertação: A interferência da Mineração Industrial na estabilidade de Assentamentos Rurais: o caso de Parauapebas
- Doutoranda: Sheila do Socorro Lima Teixeira
- Orientador: Prof. Dr. Maurílio de Abreu Monteiro
- Banca: Profa. Dra. Maria Célia Nunes Coelho; Prof. Dr. Thomas Hurtienne

Topo


Curtinhas

 

* * * * * O NAEA está levando uma verdadeira caravana para o III Encontro da Anppas, que acontece em Brasília, entre 23 e 26 deste mês. Disponibilizou um ônibus exclusivo para os participantes, que levam faixas e vão marcar presença com apresentação de trabalhos e posters. Aliás, dois GTs serão coordenados pelas professoras Edna Castro e Teresa Ximenes e uma mesa-redonda pelo prof. David McGrath, todos pesquisadores do NAEA.

* * * * * E de 22 a 24, o auditório do NAEA será disputado. Haverá treinamento no uso do Portal de Periódicos da CAPES para os usuários da UFPA.Organizado pela diretoria de Programas da CAPES, esse evento tem a parceria da Biblioteca Central da UFPA.

* * * * * Referência sobre a Amazônia, o pesquisador Armando Mendes está novamente no NAEA. Veio se reunir com nossa equipe para discutir a implantação do Centro de Estudos Brasil-Venezuela.

* * * * * Rosineide Bentes, doutora em Social History / Philosophy pela London School of Economic and Political Sciences, vai ministrar a palestra “A empresa da Borracha na Amazônia: construção de uma abordagem". O evento é coordenado pela Profa. Dra. Rosa Acevedo e acontece no auditório do NAEA, às 9h, no próximo dia 26.

* * * * * Ainda em maio está previsto o lançamento do livro “Políticas Públicas e Desenvolvimento Local na Amazônia: uma agenda em debate”, resultante de um projeto sobre Estado e Políticas Públicas na Amazônia feito em parceria entre o NAEA e a Fundação Ford. O lançamento está sendo organizado pelos pesquisadores Maria Célia Nunes Coelho e Armin Mathis, coordenador da Pós-Graduação do NAEA.

* * * * * Também neste mês estão sendo encerradas as inscrições para osconcursos de professor nas disciplinas ‘Desenvolvimento e gestão de recursos naturais’ e ‘Desenvolvimento, urbanização e Meio Ambiente’. As inscrições são feitas na secretaria do NAEA, com Nazaré Santos.

* * * * * E a esperada viagem de campo para Mato Grosso foi confirmada pelo prof. Daniel Nepstad e remarcada para 13 a 20 de junho. A listagem com os interessados já está sendo encaminhada para o IPAM e o contato é com o doutorando Ricardo Santana, da turma de 2005 .

Topo


Expediente

NÚCLEO DE ALTOS ESTUDOS AMAZÔNICOS
Coordenadora: Edna Castro
Vice-Coordenador: Thomas Hurtienne

Folha do NAEA, ano 1, edição 1, 16 de maio de 2006.
Textos: Otacílio Amaral, Elaide Martins e Dayane Baía
Edição: Otacílio Amaral
Revisão: Elaide Martins
Webdesigner: Dayane Baía
Webmaster: Marcelo Lavareda Santos

Esta é uma publicação virtual quinzenal do NAEA-UFPA.
Os contatos devem ser feitos pelo:
Fone: (91) 3201-7231
Fax: (91) 3201 7677
E-mail: folhadonaea@ufpa.br

Topo