Escolha o Idioma:        

Conferência discute a financeirização da natureza no SIALAT 2015

Financeirização da natureza é tema de conferência no segundo dia do SIALAT 2015

A economia atual tem se modificado,  buscando as questões ambientais para norteá-la e, deste modo, transformar as relações econômicas e políticas, para que sejam baseadas no meio-ambiente. Esta temática foi discutida na conferência “América Latina: Financeirização da natureza e resistência política”, ministrada por Camila Morena, do Grupo de Trabalho de Ecologia Política do Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais (Clacso) e do Grupo Permanente de Trabalho sobre Desenvolvimento, da Fundação Rosa Luxemburgo. A conferência ocorreu na manhã desta terça-feira, 10, no auditório do Instituto de Ciências da Educação (ICED) da UFPA.

Durante a conferência, Camila falou desta comercialização de carbonos e com isso afeta diretamente a economia mundial. “ Hoje, um país pode poluir e se ‘isentar’ de culpa, pois é só ele comprar mais créditos de carbono, isso tem modificado a economia mundial, onde se tem falado muito do desenvolvimento sustentável e da importância do meio abiente”, explica. Ainda segundo Camila, os polos de “recipientes” crédito de carbono estão localizados nas regiões ao sul, próximo às regiões tropicais, como a Amazônia. “Dentre estas regiões está a Amazônia, que foi incluída neste comércio de carbono. Aqui é o local onde se tem o maior estoque de carbono, se a região já era visada antes, hoje nem tem como se comparar”, explica a pesquisadora.

Camila Moreno afirma que estes processos econômicos e políticos são praticamente irreversíveis, mas que há possibilidades de melhorias e até algum tipo de solução para estas mudanças. “ É preciso que se volte aos saberes simbólicos e espirituais, pois são excluídos desses processos. Com esses saberes, talvez seja possível nos tirar deste caminho de destruição irreversível a que estamos sendo levados”, finalizou.

Nesta quarta-feira, pela manhã, no auditório do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (Naea), Camila Moreno debate e lança o livro “Brasil Made in China”. O livro é o resultado de um ano de pesquisa e análise sobre as relações econômicas e políticas entre os dois países, a partir de reflexões da Fundação Rosa Luxemburgo sobre o tema. Avalia e questiona os impactos desta relação sobre cotidianos, territórios e bens naturais, bem como o novo capitalismo advindo do “consenso de Beijing” e sua relação com o desenvolvimentismo que predomina nas políticas econômicas do país no último período.

A programação do SIALAT 2015 segue com mesas, conferências e grupos de trabalhos. O evento tem como público professores , estudantes, pesquisadores em geral, participantes de movimentos sociais e demais pessoas interessadas no tema. Para mais informações, acesse o site do SIALAT 2015.

Endereço: Av. Perimetral, Número 1 - Guamá, Belém - PA, Brasil Código Postal: 66075-750 55(91) 3201-7231